Browsing Tag

centralpark

Photography

Como Parei nos USA? – Por Júlia Schwan

22 de novembro de 2015

Hey everybody! Como vocês estão?!

No post de hoje recebo uma pessoa e amiga muito especial que falará sobre sua vida nos USA e compartilhar a sua trajetória com a gente! Esportista e muito inteligente, Júlia está estudando nos USA há mais de um ano e tem muito para contar. Acredito ser muito importante dividir outras experiências com vocês para que fiquem por dentro das maneiras as quais fazem com que alguém venha para os Estados Unidos e o porque.

Eu e Júlia tivemos uma tarde de photoshoot no Central Park (que quase congelamos), tiramos algumas fotos juntos e separados. Foi um momento muito legal em poder inserir Julia nessa minha vida atividade  e poder conhecer partes do central park que nunca tínhamos ido, o que detalharei em um proóximo post. Agora me despeço e deixo vocês sob o comando da querida Júlia Schwan!

FC-JS-41

Enjoy this moment with her!

“Eai leitores do FCAVALHEIRO On The Road, meu nome é Júlia Schwan e nesse post vou contar um pouco da minha vida pra vocês. Escrever sobre mim mesma é uma experiência nova para mim e espero que todos gostem.

FC-JS-140

Pra começar, tenho 20 anos de idade e sou gaúcha, de Novo Hamburgo. Sempre gostei de esportes e quem me conhece sabe que posso ser bem competitiva. Dos 10 aos 17 anos pratiquei atetismo na escola Fundação Evangélica. Já fiz de tudo quanto é modalidade, mas o que eu gosto mesmo é de correr os 100 e 200 metros. O esporte me permitiu conhecer a mim mesma e ajudou a formar meu carater. Além disso, o atletismo me proporcionou muitos amigos e viagens. A mais rescente e importante delas foi vir fazer a faculdade em Nova York, em uma Universidade chamada St. John’s.

Por que vim para os Estados Unidos?

Logo após ter me formado no ensino médio eu decidi parar de correr. Eu não estava atingindo as marcas que queria, não aguentava mais treinar (porque acreditem, cansa e doi muito), tinha torcido tornozelo esquerdo e queria começar a trabalhar. Entretanto, seis meses depois de ter tomado essa decisão, meu treinado me chamou pra conversar e me mostrou uma carta que ele tinha recebido. A carta dizia que essa tal de St. John’s University estava interessada em me oferecer uma bolsa de estudos em troca de eu voltar a treinar e competir pela faculdade.

Obviamente, eu fiquei muito feliz com a notícia, mas demorei muito para tomar a decisão de vir morar em Nova York. Nunca foi fácil para eu sair da minha zona de conforto, além disso, sou muto ligada a minha família. Assim, decidi manter contato com a St. John’s e ir fazendo o que me pediam. Fiz os testes de inglês pensando “vai lá e faz o teste. Se passar, tu continua”. Dentro de um ano fiz tudo o que precisava para conseguir meu visto de estudante e ficar apta a treinar e competir como uma atleta universitária americana.

No dia 24 de agosto de 2013 eu vim para Nova York pela primeira vez, morrendo de medo! O que me fez enfrentar esse medo e vir morar nos Estados Unidos foram 3 motivos:

1. Eu queria provar para mim mesma que era capaz. Capaz de morar longe da minha família e amigos; Capaz de me formar em uma faculdade Americana; e principalmnete, Capaz de voltar a correr em um nível competitivo

2. Queria independência

3. Eu queria melhorar meu inglês

Dificuldades e Aprendizados

FC-JS-162

Meu primeiro ano foi bem mais difícil do que eu gostaria de admitir. Ficar longe do teu “chão” não é fácil. Aprendi que quando a gente está em um lugar diferente, começamos a sentir falta de coisas básicas, como o idioma, a comida e o clima. Pouca gente fala potuguês por aqui, e por mais que eu tivesse estudado inglês durante bons 9 anos, muita gente não conseguia me enteder no início. Isso me frustrou bastante. Depois, o fato de não ter o “comida de casa”mexeu comigo e ficar sem o gostinho brasileiro foi uma dificuldade grande. Além disso, o clima interferiu bastante na minha vida aqui. Primeiro que no inverno fica escuro as 4 horas da tarde, o que de alguma maneira me incomodou. Segundo, apesar da neve ser linda, o frio inteso foi mais uma novidade pra mim. Eu também dividia o quarto no dormitório da faculdade com outras 2 gurias, e dividir teu espaço e privacidade também não e lá tão facil. Por fim, os treinos da faculdade estavam literalmente acabando comigo. Saia da pista tremendo pelo menos duas vezes por semana. Acredito que os fatores “não conhecer nada a tua volta” + “sentir falta de casa” + “cansaço e estress” fizeram do meu primeiro ano um desafio, o qual eu digo com muito orgulho que venci. Tudo isso me fez crescer e amadurecer de uma forma inexplicável.

Voltar ou não?

FC-JS-119

Ainda não sei sei vou voltar para Novo Hamburgo depois que me formar. Se alguém me fisesse essa pergunta ano passado a resposta seria sim, sem dúvidas. Agora, depois de ter passado pelo “desconhecido primeiro ano” me sinto muito confiante, amo morar em Nova York, desbravar a cidade, restaurantes, bares e ruas em geral. Adoro conhecer gente nova e isso é o que eu mais faço aqui, e finalmente, depois de muito sair tremendo da pista, estou começando a me sentir bem em relação aos treinos novamente. Estou me acostumando com a a rapidez e praticidade americana, com o rush de Nova York. Voltar ainda é uma pergunta em aberto pra mim, sorte que ainda tenho um tempo pra chegar em uma resposta.

Espero que tu tenhas gostado desse post. Se tiveres alguma pergunta, manda ali pro Felipe que eu vou ficar feliz em responder.”

Beijos, Júlia!

FC-JS-39

Photography: Lindsey Thoeng